Uniprime - Cooperativa de Crédito do Norte do Párana

#45 - Como é mesmo essa remuneração?

17 de Fevereiro de 2020

#45 - Como é mesmo essa remuneração?
Por Juliana Olivieri Refundini, profissional com Certificação CFP®.

É comum em nossas vidas nos depararmos com situações onde somos leigos em determinados assuntos e ao procurarmos algum serviço relacionados a isso, o profissional que nos atende começa a utilizar termos muito técnicos, aos quais não estamos familiarizados. Isso pode acontecer quando vamos ao médico, ao mecânico, ao dentista e no mercado financeiro não é diferente.

Eu que trabalho em uma cooperativa de crédito, posso dizer com propriedade. Por vezes estamos tão habituados a falar e conviver com os termos técnicos que esquecemos que nem todos estão. Recentemente, conversando com um cooperado, fui questionada por ele com uma questão muito simples: “mas que tipo de remuneração é essa pré-fixada?”. Foi então que me dei conta que as vezes o que é claro para mim, não é claro para todos!

Muitas vezes você já deve ter ouvido seu gerente ou assessor financeiro dizer sobre remuneração e taxa pós-fixada, pré-fixada ou mista. Então, vamos elucidar estes conceitos básico:

Pré-fixada: é o tipo de taxa ou remuneração que já é determinada no momento da aplicação ou do empréstimo, como por exemplo: 5% ao ano, 1% ao mês. E assim por diante.

Pós-fixada: é a taxa ou remuneração que você não sabe ao certo qual será ao final do período. Você pode terá apenas uma referência, como por exemplo: 120% do CDI, neste caso sabemos o percentual de uma taxa de referência, porém ela ainda será calculada, por isso o investidor não sabe ao certo qual será sua remuneração, sabe apenas o percentual fixo da referência.

Mista ou Pré + Pós-fixada: como o nome sugere, é uma junção dos tipos de remunerações anteriores, como por exemplo:  4,5% ao ano + IPCA. Neste caso, temos uma parte fixa que já conhecemos quanto será, e um indicador ou referência que ainda será calculada.

Outra dúvida muito comum é saber qual tipo de taxa escolher, tanto para investimento como para empréstimo. As reflexões a serem feitas são: qual momento o mercado financeiro está atravessando? A taxa Selic está com tendência de queda? A inflação está sob controle? Sempre trazendo estas reflexões para sua realidade financeira e considerando as necessidades que você possa vir a ter. De qualquer forma, ter uma carteira de investimento que te beneficie tanto em caso de queda de juros, como de alta é muito importante. Pulverizar seus investimentos utilizando diversos modelos de remuneração será muito saudável.

Gostaria de saber sobre outro assunto da área financeira? Fale com a gente através do e-mail: faleconosco@uniprimebr.com.br

COMPARTILHAR:

Educação Financeira