EDIÇÃO Nº 14 - JANEIRO/2019

Fazer o bem sem olhar a quem

Colaboradores da Uniprime realizam ações solidárias

Fazer o bem sem olhar a quem
Natal é uma época do ano que inspira o bem e o amor ao próximo. Isabella Zuba de Oliva Candia, Assistente Jurídico da Uniprime, soube como transformar esses sentimentos em ações solidárias. Inspirada por um professor da faculdade, há alguns anos ela angaria doações junto aos amigos e familiares para distribuir às crianças de instituições carentes. “Quando ainda estava na faculdade, fomos até um asilo fazer um bingo para os velhinhos. Naquele dia, percebi como uma coisa tão pequena faz tão bem àquelas pessoas. Daí em diante, passei a recolher algumas cartinhas nos correios e comprar presentes, como brinquedos, roupas e sapatos, mas mesmo assim, sentia que não era o suficiente. Achei que podia juntar mais dinheiro e ajudar um número maior de pessoas. Comecei a pedir ajuda aos amigos mais próximos e aos familiares, todos com o objetivo de ajudar com algum valor, uma guloseima, uma roupa, brinquedo usado ou até mesmo doar um pouquinho do seu tempo”, conta Isabella. 

Em dezembro de 2018 as doações foram realizadas no Centro Municipal de Educação Infantil Irmã Maria Nivea, no Residencial Vista Bela, em Londrina. Na ocasião foram arrecadados mais de 300 itens, que beneficiaram 200 crianças.  Durante os 8 anos em que se dedica ao voluntariado, Isabella estima que mais de 800 pessoas, entre crianças e idosos foram beneficiadas com carinho, amor e presentes.


Entrega de presentes realizada no último dia 18/12/18

Voluntário há mais de 10 anos, Henrique Cesar Assis, Auditor da Uniprime, também dedica parte do seu tempo para ajudar ao próximo, fazendo a barba dos idosos na ala dos internados no Asilo São Vicente de Paulo, em Londrina. Segundo Henrique, “uma vez voluntário, você não consegue mais parar. As pessoas trabalham dia e noite e não pensam que podem doar um pouco do seu tempo para ajudar os necessitados, são somente duas horas aos sábados no meu caso. Na verdade, elas não sabem que são essas pessoas carentes que nos ajudam a sermos melhores”. 


 Henrique Assis fazendo a barba dos idosos na ala dos internados no Asilo São Vicente de Paulo, em Londrina

Isabella concorda. “Ser solidário nos ajuda a enxergar que não existe diferença, somos todos iguais. O benefício é muito maior para quem ajuda do que para quem é ajudado”, conclui ela.

Estes são dois grandes exemplos a serem seguidos e que temos muito orgulho de contar.  

E você, é solidário? Se tiver uma história para compartilhar, envie e-mail para: comunicacao@uniprimebr.com.br. 

Jornalista Responsável: Loraine Santos