Edição nº 1 - Outubro/2016

Economia, sustentabilidade e comunidade

Como os princípios do cooperativismo têm transformado a realidade das pessoas

Economia, sustentabilidade e comunidade
Cooperativismo é um modelo socioeconômico que, a partir de uma filosofia sustentável, tem como princípio a união do desenvolvimento econômico com o bem-estar social. Se resgatarmos a história, é possível ver que o ser humano nasceu para cooperar: na caça em grupo para buscar alimento, no cultivo coletivo da terra e na prática do escambo, por exemplo. 

Com o aumento dos recursos e o surgimento de diversos modelos de economia, por um longo período de tempo a premissa de que “mais é melhor” tomou conta dos consumidores. Porém, essa prática resultou em problemas de desenvolvimento social e ambiental e alertou a sociedade sobre a necessidade de mudar a cultura do “eu” para a cultura do “nós”, retomando os princípios de comunidade, coletividade e o cooperativismo.

O cooperativismo financeiro surgiu com princípios próprios, balizadas por valores do ser humano e da democracia como solução dos problemas. Frente ao capitalismo ganancioso, com preços abusivos e taxas de desemprego crescentes advindas da revolução industrial, as pequenas cooperativas de consumo foram constituídas na Inglaterra na metade do século IXX, lançando a semente do sistema econômico do cooperativismo no mundo.

A medida que este conceito se solidificava em países europeus, as primeiras cooperativas de crédito urbano começavam a surgir na Alemanha, com objetivo inicial de atender comerciantes e artesões. Depois de ultrapassar fronteiras e se consolidar em países como Itália, França, Holanda, Inglaterra e Áustria, os princípios do cooperativismo financeiro chegaram ao Brasil no início do século XX. Aplicado às pequenas comunidades rurais, essa alternativa de modelo econômico considerava a honestidade como principal valor entre os cooperados.

O cooperativismo evoluiu e conquistou um espaço próprio, definido por uma nova forma de pensar do homem, do trabalho e do desenvolvimento social. Por sua forma igualitária e social, o cooperativismo é aceito por todos os governos e reconhecido como fórmula democrática para a solução de problemas socioeconômicos.

O compartilhamento de informações e as relações interpessoais estão se reinventando de forma dinâmica e atraente. 

O comportamento cooperativista possui uma mecânica da confiança inerentes aos sistemas e, em razão disso, tem transformado a Era do alto consumo na Era do consumo consciente e colaborativo. Além de mudar a forma de consumir, o cooperativismo resgata nossas raízes de comunidade e torna a vida mais sustentável.

Jornalista Responsável: Loraine Santos